terça-feira, 29 de março de 2011

Wilson Martins diz que greve é 'para afrontar' e Sinpolpi acha atitude do governador 'autoritária'

WANESSA GOMMES DO GP1

Na última quinta-feira (24) os policiais civis do estado do Piauí realizam uma Assembleia e decidiram por uma paralisação de advertência de 72 horas a partir de ontem (28). A decisão veio após o Governo não cumprir o acordo de reajuste salarial de 24%.

Na manhã desta terça-feira (29) o governador Wilson Martins pediu a ilegalidade da greve dos policiais civis por achar que é uma "greve de birra, para afrontar o governo".

Para o presidente do Sinpolpi (Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Piauí), Cristiano Ribeiro, a atitude do governador Wilson Martins é bastante autoritária.
Imagem: Wanessa Gommes/GP1Cristiano Ribeiro(Imagem:Wanessa Gommes/GP1)
Cristiano Ribeiro

O secretário de Segurança Robert Rios disse nesta segunda-feira (28), durante entrevista a um programa de televisão local, que o Governo não poderia arcar com um acordo feito na gestão passada.

Sobre a declaração de Robert, Cristiano disse: "O Governo tá dizendo que o acordo foi feito no governo Wellington Dias e não é verdade, a greve sim, foi feita no Governo Wellington Dias, mas o acordo foi feito em maio e homologado em julho, quando Wilson Martins já era governador. Queremos que o Governo cumpra o que foi acordado".

"O acordo foi feito no Palácio de Karnak, onde também esteve presente o secretário de Governo, na época Tadeu Maia e uma tabela de reajuste dos subsídios dos policiais civis foi mostrada ao secretário de Administração, na época Evaldo Ciríaco. Tadeu foi até o governador que estava numa sala ao lado, mostrou a tabela e voltou dizendo que Wilson Martins tinha aceitado o acordo de 24%", relatou Cristiano.

Veja abaixo a tabela

Imagem: Reprodução / GP1Tabela de reajuste dos subsídios dos policiais civis homologado pela Justiça e com a participação do Governo do Estado(Imagem:Reprodução / GP1)
Tabela de reajuste dos subsídios dos policiais civis homologado pela Justiça e com a participação do Governo do Estado
O acordo foi homologado no Tribunal de Justiça do Estado do Piauí no dia 9 de julho de 2010 e foi assinado pelo Desembargador-relator Francisco Antonio Paes Landim Filho, Evaldo Cunha Ciríaco, secretário de Administração, Raimundo Nonato Leite Barbosa, secretário de Segurança, Fernando Ferreira Santos, promotor de Justiça, Sigifrói Moreno, presidente da OAB-PI, Cristiano Ribeiro, presidente do Sinpolpi e Alcimar Pinheiro e Marco Aurélio Reis, ambos advogados do Sinpolpi.

Veja abaixo o acordo que foi homologado

Imagem: Reprodução / GP1Dessídio Coletivo de Greve nº 2010.0001.000759/0 - Tribunal de Justiça(Imagem:Reprodução / GP1)Dissídio Coletivo de Greve nº 2010.0001.000759/0 - Tribunal de Justiça
Imagem: Reprodução / GP1Acordo coletivo feito com o Governo do Estado(Imagem:Reprodução / GP1)Acordo coletivo feito com o Governo do Estado
Imagem: Reprodução / GP1Assinaturas das autoridades homologando o acordo coletivo(Imagem:Reprodução / GP1)Assinaturas das autoridades homologando o acordo coletivo
Para Cristiano, se o Governo não cumprir o acordo estará mostrando o desrespeito ao Tribunal de Justiça. "Como é que o governador vai pedir ao Tribunal de Justiça a ilegalidade, se ele não cumpre um acordo que foi homologado? Está havendo um total desrespeito a esse Poder por parte do Governador Wilson Martins", finalizou o presidente do sindicato.

Veja abaixo a Certidão de trânsito em julgado do processo

Imagem: Reprodução / GP1Certidão de trânsito em julgado do processo que homologou o acordo de dessídio coletivo de greve entre os policiais civis e o Governo do Estado(Imagem:Reprodução / GP1)
Certidão de trânsito em julgado do processo que homologou o acordo de dissídio coletivo de greve entre os policiais civis e o Governo do Estado