terça-feira, 29 de março de 2011

Senadores destacam obstinação e pensamento independente de José Alencar

[Foto:]




















O anúncio da morte do ex-senador e ex-vice-presidente da República José Alencar comoveu os senadores, que participavam de sessão de homenagem ao ex-senador e ex-governador de São Paulo Mário Covas, morto há 10 anos. Durante a sessão desta terça-feira (29), o presidente do Senado, José Sarney, comunicou ao Plenário - "com grande pesar e emoção" - o falecimento de José Alencar, aos 79 anos, no início da tarde desta terça-feira (29), em São Paulo.

- Ele foi um grande brasileiro, prestou grandes serviços à nossa pátria - disse Sarney.

Os parlamentares passaram então a render homenagem também ao ex-vice presidente, que desde 1997 lutava contra um câncer.

Vários senadores e senadoras lamentaram nesta terça-feira (29) o falecimento do ex-senador e ex-vice-presidente José Alencar. A obstinação e o pensamento independente do político mineiro foram destacados como parte da herança que ele deixa para a população brasileira.

O líder do Democratas, senador José Agripino (RN) declarou sua tristeza com a morte de José Alencar e disse que o Brasil ganhou muito com sua trajetória empresarial e política.

- Um empresário competente a quem o Rio Grande do Norte deve apoio a seu desenvolvimento e milhares de empregos. Um político de raro espírito público, um exemplo que o Brasil não pode esquecer - afirmou Agripino.

A senadora Kátia Abreu (DEM-TO) disse que o ex-vice-presidente foi um exemplo de luta, obstinação e "de amor pela vida e por tudo que fazia".

- Um homem que começou de baixo, venceu na vida e nunca perdeu a alegria de viver nem a vontade de vencer - afirmou a senadora.

Grandeza

O pernambucano Jarbas Vasconcelos (PMDB) declarou que a luta de José Alencar conta o câncer "e contra a morte" demonstra "sua grandeza". Para ele, Alencar foi "um exemplar homem público", tanto como senador quanto como vice-presidente da República.

- Empresário bem sucedido e político correto, o que não é fácil nos dias de hoje. É uma grande perda nesse momento de tanta mediocridade, de tantas coisas erradas na política. A gente perde um homem que deu grande exemplo no campo dos empreendedores e que deu grande lição de vida, ao lutar tanto para viver - ressaltou Jarbas Vasconcelos.

O presidente José Sarney também lamentou a morte do ex-senador e ex-vice-presidente da República.

- Perdemos um grande brasileiro, um grande político, um gladiador pela vida que tinha coragem de discordar e coragem de concordar - disse Sarney, destacando a solidariedade demonstrada por Alencar quando vice-presidente.

Sarney declarou estar comovido com a notícia e acrescentou que tentaria comparecer ao velório do ex-senador, "um homem público extraordinário".

- Ele deixa seu exemplo pessoal, sua correção, a maneira com que ele enfrentou a doença e lutou pela vida, a maneira com que ele soube sofrer, isso tudo é, sem dúvida, uma lembrança que o povo brasileiro jamais vai esquecer - afirmou Sarney, destacando o a fé do político mineiro, além da postura estóica e corajosa com que enfrentou a doença.

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) informou já ter solicitado à Mesa do Senado uma sessão de homenagem a Alencar.

Coragem

Para o líder do PSDB, Alvaro Dias (PR), trata-se de uma perda inestimável.

- É um exemplo de coragem tanto na doença quanto nas questões nacionais, até enfrentando posições do próprio governo, como foi com a alta dos juros. Era uma figura especial - disse Alvaro Dias.

Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) afirmou que Alencar foi um vice "muito presente" e de grande valia para o ex-presidente Lula.

- Um homem que lutou muito não contra a morte, mas em favor da vida - disse Grazziotin.

Paulo Paim (PT-RS) declarou que José Alencar era atencioso e prestativo.

- Alencar tinha uma grandeza enorme. Lembro-me de ele dizer, no exercício da Presidência da República, que eu não precisava marcar audiência, era só chegar - recordou Paim.

O senador gaúcho também lembrou dois momentos em que percorreu o Rio Grande do Sul na companhia de José Alencar. "Ao falar aos empresários na Fiergs [Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul], ele foi aplaudido de pé. Depois, em Caxias, todos os trabalhadores que o ouviam o aplaudiram em pé. Vi a mesma cena". De acordo com ele, as duas campanhas de Lula tiveram a marca de José Alencar, "porque ele é daqueles homens que entram para a história".

Sinceridade

O senador Itamar Franco (PPS-MG) recordou a trajetória política de José Alencar, com quem tinha grande afinidade. Ele lembrou a oposição de Alencar à venda da Companhia Vale do Rio Doce, em 1997. E destacou a sinceridade e a força política do colega.

- É muita tristeza e muita emoção. Não é Minas que perde. Era um homem ético, de grande sinceridade. Um guerreiro. Era um homem que sempre defendeu os interesses nacionais - afirmou Itamar.

Já o senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse que o Brasil e Minas Gerais estão de luto.

- O Brasil hoje está de luto, os mineiros, em especial, sentirão a falta, mas se lembrarão sempre dos exemplos e da coragem cívica desse grande brasileiro e meu amigo pessoal que foi José Alencar - afirmou Aécio.

Para o senador mineiro, Alencar foi um homem público completo, que levava para a discussão política temas de interesse dos cidadãos e do setor produtivo. Aécio também disse que, na vice-presidência, Alencar foi um grande parceiro durante seus dois mandatos no governo de Minas, ajudando no desenvolvimento do estado e sendo interlocutor competente entre governo e oposição, tanto no plano federal quanto no regional.

Aécio afirmou que o ex-vice-presidente era generoso, valorizava suas raízes, "era um contumaz contador de histórias" e deixa exemplos de luta e coragem ao enfrentar "com altivez" a doença. Para ele, os brasileiros se sentiram "ao longo desses anos, um pouco parte da família e do próprio sofrimento do José Alencar".

- Acho que ele vai chegar lá e o criador vai olhar e falar: "Poxa Zé, achei que você não vinha, eu estava te esperando já há muito tempo". Acho que fica o exemplo para nós todos de homem público que honra Minas Gerais e honra essa atividade tão depreciada, tão contestada, mas que tem também a exercê-la homens do quilate moral e da dimensão política de José Alencar - acrescentou Aécio.

Franqueza

O senador Pedro Simon (PMDB-RS), que se preparava para discursar na homenagem a Mário Covas, manifestou seu pesar pela morte do ex-vice, lembrando que José Alencar era um "político raro", um "homem franco", que "falava as coisas que precisavam ser ditas".

- José Alencar ficará na História do nosso País como um exemplo de lealdade, como exemplo de grandeza daqueles que estão ao lado para servir, para ajudar - disse Simon.

Para o senador José Pimentel (PT-CE), o Brasil perdeu "um grande político e empreendedor, um homem simples, íntegro, determinado e de coragem".

- Sempre que discutimos os temas relacionados à micro e pequena empresa, tive o cuidado de ouvir os seus ensinamentos. José Alencar começou muito pequeno e se consolidou como um dos maiores empresários do Brasil, tendo como seu maior patrimônio os trabalhadores de suas empresas - registrou Pimentel.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) disse ter recebido a notícia "com profunda emoção". Para ela, Alencar foi exemplo de fé, perseverança e amor à vida. "O Brasil perde um grande brasileiro que muito contribuiu, com sua vida pública, para a construção de um projeto de desenvolvimento para o Brasil, que prossegue em curso", afirmou Gleisi Hoffmann.

Paixão

O ex-senador José Serra, que participou da sessão plenária especial dos 10 anos da morte de Mário Covas, afirmou que o Brasil perdeu uma figura de coragem e valentia. "Era um homem cordial, corajoso e batalhador", disse o ex-governador paulista.

Já o atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que também participou da homenagem a Covas, afirmou que o Brasil perdeu um homem público exemplar, "um empreendedor apaixonado pelo Brasil e pelo povo brasileiro" e um modelo de superação.

- Uma figura humana cativante, que tinha um enorme amor à vida, deixou exemplos extremamente dignificantes. É com enorme pesar que trago aqui o sentimento do governo e do povo de São Paulo à sua família e a todo o país pela perda que representa a morte de José Alencar - declarou Alckmin.

O ex-vice-presidente era um dos maiores empresários brasileiros. Foi senador pelo estado de Minas Gerais e vice-presidente do Brasil entre 2003 e 2010, durante os dois mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva. Nasceu na cidade de Muriaé, em 1931, e morreu nesta terça-feira (29) em São Paulo. Alencar lutava contra um câncer no abdômen há mais de uma década.

Da Redação / Agência Senado